• Patrícia e Rafaela

CRÍTICA: Bacurau

Atualizado: 30 de Mai de 2020

Quem nasce em Bacurau é gente


Um dos filmes mais comentados de 2019, Bacurau é dirigido e roteirizado por Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Um longa-metragem que fala sobre memória, sobre presente e sobre futuro. Aqui, no roteiro, não vemos o conceito “intriga da predestinação’, pois ao completar 30 minutos de filme rodado, é natural nos questionarmos “sobre o que é exatamente esse filme?” visto que não é possível uma antecipação sobre o que irá vir na segunda metade do longa.



A trama acontece no sertão nordestino, mais precisamente no oeste de Pernambuco, com toques de surrealismo, evidencia uma cultura por meio de diversos elementos, como os diálogos, por exemplo. É fácil perceber que se propõe a mostrar o contraste entre pobreza e tecnologia, mesmo que, tablets, televisões, internet e celulares façam parte da vida dos moradores. O contraste aparece aqui: também vemos a espera pelo caminhão pipa girando em torno da necessidade de água, comida e remédios. Narra um nordeste futurista que busca mostrar as relações desiguais entre metrópole e colônia, por meio do grupo de estrangeiros que surge na obra com o objetivo de caçar os habitantes locais. O que segue depois disso, é uma carnificina. Mas ainda, é possível ver humor - piada - no terceiro ato, já que a natureza das mortes do lado dos invasores são mais impactantes, um tanto quanto “tarantinescas”.


Um filme que traz violência estilizada, e traços maniqueístas ao falar de política. Vemos vingança coletiva que dá o respaldo à uma trama sem plausibilidade, de fato. Não podemos falar que Bacurau se trata apenas de nordestinos ou sertanejos, em meio às metáforas, vemos um brasil imerso a uma desigualdade social e política. Oprimido vs opressor, aqui não restam dúvidas!



Pensando na técnica, o filme possui uma costura suave e forte, com transições incomuns no cinema, vemos fluidez na montagem de Eduardo Serrano. É curioso como o longa-metragem não se enquadra em nenhum gênero específico, traz uma intertextualidade que, digamos, combina com o brasil. Aqui também precisamos destacar efeitos visuais, desenho sonoro, narrativa e fotografia.


Transformações e ressignificações fazem da história de Bacurau, algo curioso, traz dúvidas, e, somente no fim, nos cabe refletir de forma ampla a obra que acabamos de assistir. Vencedor do prêmio do Júri em Cannes 2019, Bacurau se torna um dos melhores filmes nacionais da atualidade.


Um beijo!


Patrícia Lourenço




42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo