• Patrícia e Rafaela

DIA DO CINEMA NACIONAL: 8 produções audiovisuais brasileiras para você assistir


Para muitos um dia qualquer, mas para amantes da sétima arte e profissionais do audiovisual, o dia 19 de junho, dia do cinema nacional, precisa ser ressaltado! Começando lá atrás, em 1898, acredita-se que Afonso Segreto, registrou em sua máquina filmadora imagens dos arredores e da Baía de Guanabara. No entanto, existem outras histórias de origem para a data, já que essas imagens nunca foram vistas. Dito tudo isso, o que importa é que o cinema chegou tem MUITO tempo no Brasil e teve momentos altos e baixos. A Belle Époque, por exemplo, é um dos períodos positivos, assim como a década de 70. Já em 1990, no governo Collor, foi praticamente extinto, pela ausência apoio governamental.


A indústria cinematográfica no Brasil gira a economia e emprega MUITA gente, afinal, fazer um filme não é nada simples. E, no momento atual, vivemos com uma sombra nebulosa em cima dessa indústria, ou ainda, da cultura no Brasil. Editais de incentivos à novas produções audiovisuais estão congelados e não… não pense que é por conta da pandemia causado pelo Coronavírus, esse congelamento é de antes. O que nos leva a refletir: como pode alguém/algo não apoiar a cultura? Ou, o CINEMA?


A sétima arte é riquíssima, auxilia na formação de um pensamento crítico, explora a empatia ao outro, além de que por meio de uma obra, conseguimos traçar um paralelo com nossa realidade e parar para pensar! Né não?


Pensando em tudo isso, trouxemos uma lista com 8 produções audiovisuais brasileiras, filmes e documentários, que podem ser uma grande novidade pra você! É preciso ver CINEMA NACIONAL, tem muita coisa boa aqui, mesmo!



A Vida Invisível

Direção e roteiro: Karim Aïnouz

Ano: 2019

Avaliação: IMDb: 7.9/ Metracritic: 81


O premiado longa brasileiro foi selecionado para representar o Brasil no Oscar de 2020, porém não entrou na lista de 10 pré-indicados. A narrativa se passa no Rio de Janeiro em 1950 e acompanha as irmãs Eurídice e Guida que contra as suas vontades são separadas e precisam enfrentar os desafios para seguir seus sonhos e se reencontrar. Um filme que com muita sensibilidade trata da cumplicidade entre duas mulheres que sofrem as pressões e limitações de uma sociedade patriarcal.

Nóis por Nóis

Direção e roteiro: Aly Muritiba

Ano: 2017


Filme do diretor Curitibano Aly Muritiba, também responsável pelo elogiadíssimo "Ferrugem". Um mergulho pelo mundo do rap, com uma latente crítica a atuação policial o filme conta a história de quatro jovens da Vila Sabará, região metropolitana de Curitiba, que tem seus "destinos selados" após uma festa onde cada um possuía interesses diferentes, que acaba em briga e tumulto.

Tinta Bruta

Direção e roteiro: Felipe Matzembacher

Ano: 2018

Avaliação: IMDb: 6.8

Disponível: Telecine Play


Em meio a uma Porto Alegre escura, sem vida e de certa forma opressora o filme apresenta Pedro, um jovem retraído e homossexual que vive em um pequeno apartamento com sua irmã no centro de Porto Alegre, enquanto responde um processo criminal. Nessa realidade, Pedro ganha algum dinheiro extra realizando performances com pinturas em tinta neon, para desconhecidos na internet e de alguma forma naquele ambiente, Pedro pode ser ele mesmo. Um filme importante, que trata de assuntos atuais sobre aceitação, identidade e abandono.

As Boas Maneiras

Direção e roteiro: Marco Dutra e Juliana Rojas

Ano: 2017

Avaliação: IMDb:6.8 / Metracritic: 73

Disponível: Telecine Play


Para quem está acostumado a assistir drama e comédia brasileira, “As boas maneiras” é uma boa pedida para conhecer a diversidade do cinema nacional. Filme de terror e fantasia que conta com excelente roteiro e produção técnica. No longa Ana está grávida e contrata Clara para ser babá da criança ainda por nascer, porém, quanto mais avança a gravidez, mais aspectos estranhos e inquietantes acontecem e sugerem ter algo errado com o bebê. Um filme que utiliza folclore, questiona convenções de gênero, transita entre fábula, terror, romance e drama, possui uma bela estética e uma trama complexa que vale a pena conhecer.

Pendular

Direção e roteiro: Júlia Murat

Ano: 2017

Avaliação: IMDb: 6.5

Disponível: Telecine Play


São sempre fascinantes e tocantes filmes que abordam o processo criativo do artista bem como, a relação com a sua arte. Em “Pendular”, Júlia Murat trabalha esses elementos e adiciona a relação entre um casal, com foco para os conflitos experimentados pela artista entre o desenvolvimento de sua arte e as pressões da relação decorrentes do desejo dele por ter um filho. Na trama, acompanhamos o casal, um artista plástico e uma dançarina que dividem um loft, literalmente, com uma faixa delimitando o espaço de trabalho de cada um. Um filme belo, com uma trama complexa e rica com cenas marcantes e emocionantes para qualquer apaixonado pela arte.

Deslembro

Direção e roteiro: Flávia Castro

Ano: 2018

Avaliação: IMDb: 7.2

Disponível: Telecine Play


A história de Joana é a história de um país que não exorcizou os demônios de seu passado e relegou ao esquecimento os horrores vividos na ditadura militar. O roteiro de Flávia Castro apresenta a jovem Joana que cresceu na França com sua mãe em exílio e retorna ao Brasil com a concessão de anistia no final dos anos 70. Ali, Joana enfrenta uma jornada para compreender o passado do lugar onde nasceu e de sua própria história.

Lixo extraordinário

Direção: Lucy Walker

Ano: 2010

Avaliação: IMDb: 7.9 / Metracritic: 78

Disponível: Telecine Play


Premiado documentário que traz a beleza na arte de Vik Muniz que utiliza materiais retirados do maior aterro da América latina, localizado no Jardim Gramacho em Duque de Caxias/RJ. O filme apresenta ainda a história dos catadores que ajudam o artista plástico em sua empreitada e a influência que a arte acaba por ter na vida daqueles trabalhadores.

Estou me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar

Direção e roteiro: Marcelo Gomes

Ano: 2019

Avaliação: IMDb: 7.8

Disponível: Netflix


Documentário de 2019, dirigido por Marcelo Gomes, “Estou me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar”, traz um olhar sincero e sensível. A história acontece em uma cidade no agreste pernambucano, Toritama, com população em torno de 44 mil pessoas. Essa cidade, pode ser muito bem conhecido como a capital do jeans, visto que a comunidade inteira gira em torno do trabalho. É um doc que fala sobre o crescimento da cidade, mas, principalmente, sobre a relação de trabalho e jornada de trabalho. E olha que coisa boa, você encontra esse produto audiovisual na NETFLIX!


Beijos, Patrícia e Rafaela L.

14 visualizações

@2018 Sétima Sala - Todos os direitos reservados

  • Facebook - Círculo Branco
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram